Receba novidades - cadastre seu E-MAIL

domingo, 9 de agosto de 2015

Datas Comemorativas - Folclore

Projeto - Folclore e o Bumba meu boi


"Bumba meu boi" - Aldemir Martins

Podemos definir o folclore como um conjunto de mitos e lendas que as pessoas passam de geração para geração. Muitas destas histórias foram criadas para passar mensagens importantes ou apenas para assustar as pessoas. O folclore pode ser dividido em lendas e mitos. Muitos deles deram origem às festas populares, que ocorrem pelos quatro cantos do país.

Nosso folclore:

Cantigas de roda e brincadeiras: ciranda cirandinha, pega-pega, passa anel, etc.
Culinária: feijoada, virado a paulista, etc.
Ditados populares: “De grão em grão a galinha enche o papo”, etc.
Brinquedos populares: boneca de pano, pião, bola de meia, etc.
Folclore urbano: frases escritas em pára-choques dos caminhões, etc.
Roupas: trajes próprios de cada região
Diferenças de vocabulário: nomes diferentes para um mesmo brinquedo (pipa, papagaio, pandorga), etc.
Lendas: histórias irreais que o povo conta para explicar a formação do Universo, origem de plantas, frutos, etc.
Mitos: seres irreais (curupira, saci-pererê), etc.
Danças: pezinho, ciranda, carimbó, etc.
Superstições: gato preto, pé de coelho, etc.



Algumas lendas, mitos e contos folclóricos do Brasil:

Boitatá - Representada por uma cobra de fogo que protege as matas e os animais e tem a capacidade de perseguir e matar aqueles que desrespeitam a natureza.

Boto - Acredita-se que a lenda do boto tenha surgido na região amazônica. Ele é representado por um homem jovem, bonito e charmoso que encanta mulheres em bailes e festas. Após a conquista, leva as jovens para a beira de um rio e as engravida. Antes de a madrugada chegar, ele mergulha nas águas do rio para transformar-se em um boto.

Curupira - Assim como o boitatá, o curupira também é um protetor das matas e dos animais silvestres. Representado por um anão de cabelos compridos e com os pés virados para trás. Persegue e mata todos que desrespeitam a natureza. Quando alguém desaparece nas matas, muitos habitantes do interior acreditam que é obra do curupira.

Lobisomem - Diz o mito que um homem foi atacado por um lobo numa noite de lua cheia e não morreu, porém desenvolveu a capacidade de transformar-se em lobo nas noites de lua cheia. Nestas noites, o lobisomem ataca todos aqueles que encontrar pela frente. Somente um tiro de bala de prata em seu coração seria capaz de matá-lo.

Mãe-D'água - Este personagem tem o corpo metade de mulher e metade de peixe. Com seu canto atraente, consegue encantar os homens e levá-los para o fundo das águas.

Mula-sem-cabeça - Contam que uma mulher teve um romance com um padre. Como castigo, em todas as noites de quinta para sexta-feira é transformada num animal quadrúpede que galopa e salta sem parar, enquanto solta fogo pelas narinas.

Saci-Pererê - O saci-pererê é representado por um menino negro que tem apenas uma perna. Sempre com seu cachimbo e com um gorro vermelho que lhe dá poderes mágicos. Vive aprontando travessuras e se diverte muito com isso. Adora espantar cavalos, queimar comida e acordar pessoas com gargalhadas.
"Bumba meu boi" - Vanessa Lima - 2008

Bumba-meu-Boi é uma das manifestações folclóricas brasileiras mais conhecidas e populares. Trata-se de uma espécie de auto que mistura teatro, dança, música e circo.
Cantando, conta-se a história da morte e da ressurreição de um boi.
A encenação pode ter várias formas, mas o enredo básico conta a história da escrava Catirina (ou Catarina),  grávida, que pede ao marido Francisco que mate o boi mais bonito da fazenda porque quer comer a sua língua. Ele atende ao desejo da mulher e é preso pelo seu feitor, que tenta ressuscitar o boi, com a ajuda de curandeiros ou pajés. Quando o animal volta à vida, tudo é festa. Outros personagens podem participar: Bastião, Arlequim, Pastorinha, Turtuqué, o engenheiro, o padre, o médico, o diabo etc, todos quase sempre interpretados por homens, que também fazem os personagens femininos.

Festa em Parintins (AM) - Garantido e Caprichoso

A história mais contada sobre a origem dos nomes dos bois, Garantido e Caprichoso, fala de um amor que o poeta Emídio Rodrigues Vieira teria pela mulher do repentista Lindolfo Monteverde. Ambos apresentavam seus bois todos os anos, até que Emídio desafiou: "Se cuide que este ano eu vou caprichar no meu boi". Ao que o repentista respondeu: "Pois capriche no seu que eu garanto o meu". A partir daí, a cada ano, um queria ser melhor do que o outro.
Apesar de a rivalidade ser uma das características da festa, as torcidas jamais devem vaiar a apresentação do boi adversário. Quando um torcedor do Garantido quer se referir ao Caprichoso, diz apenas "o contrário". E vice-versa. Os músicos que tocam no Caprichoso formam a Marujada, enquanto os do Garantido são a Batucada.



“Bumba meu boi” – Cândido Portinari - 1959

Atividades: - Confeccionar com sucata bois (Garantido e Caprichoso)  

Objetivos:
- Proporcionar às crianças o conhecimento das tradições de seu povo nas diferentes regiões do país, as músicas, comidas típicas, personagens folclóricos, danças, etc.
- Conhecer obras de pintores que retratam nosso folclore (Márcio Mello, Cândido Portinari e outros).
- Conhecer a Festa de Parintins e seus personagens (Boi Caprichoso e Boi Garantido) e todos os significados trabalhados nesta festividade.


I – Boi com garrafa PET



Atividade desenvolvida por Glória Tommasi - SP

Material: sucata (caixa de sapatos, garrafa pet e bloco de isopor), areia, tecidos (lisos e estampados), Crystal Cola (Acrilex), Cola para lantejoula, Guache preto, papel laminado, cola quente e cola pra tecido, tesoura, olhos móveis e fitas.

Modo de fazer:

1 – Corpo do boi
a)   Encha a garrafa PET com areia e tampe.
b)  Faça um furo na caixa de sapatos (fundos) e encaixe a garrafa pet.
c) Corte uma tira de tecido estampado, 50% maior que a volta toda da caixa. Decore e realce as estampas com Crystal cola.
d) Corte uma tira de tecido liso mais curta que o tecido estampado. Ela deverá ter o mesmo comprimento do tecido estampado. Decore com Crystal Cola.
e) Cole o tecido estampado levemente franzido nas laterais da caixa de sapato.
f)  Cole um tecido liso por cima do estampado, no mesmo lugar.
g)   Arredonde a caixa de sapatos na parte superior.
h)  Encape essa caixa com tecido liso. Dê acabamento com uma fita larga colada em toda a volta da caixa, sobre o início dos babados.
i) Cole estrelas de papel alumínio, lantejoulas e pedras na parte superior da caixa de sapatos.

2 – Cabeça do boi
a) Pegue um bloco de isopor e, com a ajuda de uma faquinha, vá modelando a cabeça do boi. Pinte-a de preto com guache.
b)  Cole lantejoulas, pedras e fitas.
c) Com cola quente, cole a cabeça no corpo do boi.


II – Boi com embalagens de tinta acrílica






Material: Primer, Tinta Acrílica Fosca Acrilex, sucata (embalagem vazia de tinta acrílica / bisnagas), papelão, EVA preto, olhos móveis, pincel e tesoura.

Modo de fazer:
a) Desenhe os chifres do boi, as orelhas e a cara no papelão. Recorte e pinte.
b) Pinte a caixa de tintas (sucata) com Primer. Dê duas demãos.
c) Pinte com Tinta Acrílica fosca.
d) Recorte duas ovais em EVA preto e cole sobre a caixinha. Cole os olhos móveis.
e) Cole os chifres, as orelhas, e a cara.
f) Para fazer um fantoche, cole o boi pronto sobre uma régua ou pedaço de madeira e aproveite para criar histórias inéditas com eles.


III – Boi com rolinhos de papel higiênico





Material: Crystal Cola, Cola de EVA, Cola branca (Acrilex) , EVA, tesoura, rolinho de papel higiênico, potinho de iogurte pequeno, palitos de sorvete e olhos móveis.

Modo de fazer:
a) Recorte os chifres do boi em EVA e cole atrás da embalagem de iogurte (cabeça) com cola para EVA. Espere secar.
b) Cole o rolinho de papel higiênico atrás da cabeça do boi.
c) Corte dois palitos de sorvete ao meio e cole as metades no rolinho pra fazer as pernas do boi.
d) Corte um retângulo em EVA e decore com Crystal cola. Cole sobre o rolinho.
e) Picote uma tira de EVA, cole como um rolinho e cole atrás, por dentro do rolinho de papel higiênico (rabo do boi).
f) Cole os olhinhos móveis e, com Crystal cola preta, faça as narinas do boi.



IV - Boi com caixas de papelão



Material: caixas de papelão, Tempera Guache Preta da Acrilex, papel Ecocores 21 cores, papel crepom (Novaprint), fitas coloridas, Crystal Cola, Cola de EVA, Cola branca (Acrilex), cartolina branca, pincel ref 054, nº 12, cola quente e tesoura.

Modo de fazer:
a) Pegue uma caixa grande e recorte um círculo na parte superior (tampas) e inferior (fundos) - corpo do boi. Separe uma caixa para a cabeça. Pinte as duas com o guache preto.
b) Recorte o focinho e os chifres em papelão, pinte de branco (focinho) e vermelho os chifres do boi. Recorte as orelhas e pinte de preto. Cole com cola quente na caixa que será a cara do boi. Recorte e cole os olhos do boi.
c) Recorte círculos com os papéis Ecocores 21 cores e cole no corpo do boi 
d) Franza papel crepom branco e cole em volta da caixa (corpo do boi). Dê acabamento com fita colorida.
e) Prenda no corpo do boi, duas fitas, uma de cada lado do círculo onde a criança entrará para brincar. Essas fitas servirão para "segurar" o boi.

Conteúdos trabalhados:
- 22 de Agosto – Dia do Folclore
- Lendas, mitos e contos folclóricos do Brasil .
- Festa em Parintins (AM) – Boi Garantido e Boi Caprichoso.
- Teatro de fantoches.
- Pontos, linhas, formas, cores, contrastes, proporção, tridimensão, textura, escultura e estética.

Técnicas trabalhadas:
- Atividade 01 – Boi com garrafa PET – Montagem tridimensional e pintura sobre tecido e isopor.
- Atividade 02 – Boi com embalagens de tinta acrílica – Pintura sobre sucatas.
- Atividade 03 – Boi com rolinhos de papel higiênico – Montagem tridimensional e pintura sobre EVA.
- Atividade 04 - Boi com caixas de papelão - Pintura e montagem tridimensional + Recorte e Colagem.

Encaminhamento do trabalho:

– Pergunte às crianças o que elas sabem sobre Folclore.
- Fale sobre as lendas, mitos e contos folclóricos. Peça que perguntem aos pais sobre esse assunto e compartilhem na aula seguinte com os demais alunos da sala.
- Peça que tragam frases escritas em caminhões e, com elas, monte um painel.
- Proponha que montem uma mesa com pratos de várias regiões do país.
- Relembre com os alunos as brincadeiras de rua e as cantigas de roda.
- Fale sobre a história do Boi bumbá e, em seguida, pergunte se já viram na TV as apresentações que acontecem no Amazonas, em Parintins do Boi Caprichoso e do Boi Garantido. Peça que pesquisem sobre o assunto na sala dos computadores da escola.
- Proponha que façam com sucatas os bois e montem uma exposição na escola. Nessa exposição expliquem sobre a Festa do Boi bumbá que acontece em várias partes do Brasil e a Festa de Parintins que ficou tradicional e atrai todos os anos centenas de turistas para a cidade.
- Com o boi feito com caixas de papelão encenem a história do Boi Bumbá. e com ele brinquem a valer.

Reflexão
- Conversem sobre tudo que aprenderam sobre o Folclore, sobre a confecção dos bois,  a Festa de Parintins, enfim façam uma reflexão sobre tudo o que foi aprendido e a importância que o tema tem na vida dos brasileiros.

Observação: Para ter mais ideias leia os livros “Comemorando e Aprendendo” I, II , III e IV de autoria de Ivete Raffa – Editora Rideel
Colaboração – Prof. Glória Tommasi – SP

Este plano de aula foi publicado no site da Acrilex - www.acrilex.com.br - link "Educadores" - Edição 09

Ivete Raffa
Cursos de capacitação e livros para professores

Nenhum comentário:

Postar um comentário